Festival Ver-o-Peso da cozinha paraense #2

20 de julho de 2015 14 Comentários por Maria

O primeiro relato sobre essa viagem está aqui.

Comecei a escrever este post enquanto voava de volta para São Paulo, uma viagem que dura três horas e pouco. Saí de Belém sentindo na pele o sol e um calor de 32ºC, enquanto a chuva caía em São Paulo, onde os termômetros marcavam 18ºC. Essa diferença climática foi um dos fatores que acentuaram a sensação de estar em uma terra estrangeira. Sentir isso foi importante para assimilar a enormidade do território brasileiro.

Estação das Docas Belém Pará
Pôr-do-sol na Estação das Docas.

A língua portuguesa mantém presente a ligação territorial, enquanto o sotaque – uma mistura de baiano com carioca -, e as expressões desconhecidas, ressaltam mais uma vez a extensão dessa união. Em Belém, quando a pessoa quer dizer que algo é muito bom, ela diz: “isso é égua!”. Outra boa expressão que escutei foi “suava como um cuscuz!”.

Tacacá Festival Ver-o-Peso da cozinha paraense
Tacacá, prato típico feito com tucupi, goma de tapioca, jambu e camarão seco.

As ruas emanam os cheiros da cozinha local, bem característicos e indescritíveis em palavras. Cheiros fortes e muito agradáveis para o meu olfato. Todas as pessoas com as quais interagi, nas barracas de comida, nos táxis, no hotel e pelos locais onde circulei, foram simpáticas e solícitas. Deixaram a impressão de que o tempo, relativo que é, não corre ali tão depressa quanto nas capitais do Sudeste. Em cada interação, houve tempo o bastante para escutar com calma, olhar nos olhos, sorrir. Fui acolhida por esse tempo generoso e pude dele usufruir em cada experimentação, nas bancas do Ver-o-Peso, nos balcões onde comi peixe com açaí, no badalado Remanso do Bosque e nas degustações inesquecíveis no Santa Chicória e no Lá em Casa.

Santa Chicória Festival Ver-o-Peso da cozinha paraense
Ostra com tucupi e limão galego, no restaurante Santa Chicória.

Santa Chicória Festival Ver-o-Peso da cozinha paraense
Arroz com pesto de cheiro verde e uma moqueca maravilhosa e exótica para nós: com pata de caranguejo e ovo de codorna. Também no Santa Chicória.

“Belém é a cidade mais incrível que você ainda não pensou em visitar.”

Essa frase do Riq Freire exprime com precisão meu sentimento após conhecer Belém. Listo abaixo mais dicas do que fazer por lá e torço para que, a partir de agora, vocês comecem a pensar seriamente em visitar essa cidade-universo tão incrível.

Turu Festival Ver-o-Peso da cozinha paraense
Essa tirinha branca que estou mordendo é o Turu, um molusco delicioso encontrado no meio dos troncos de árvores do mangue na Ilha de Marajó.

Em uma primeira ida a Belém, três experiências iniciais me parecem imprescindíveis:

1) Um passeio pelas bancas de frutas no Ver-o-Peso, descobrindo seus nomes e provando cada uma delas;
2) O peixe frito com açaí (que no Louro do Açaí, no próprio mercado, custa R$13);
3) E um mix do Corridinho de peixe e do Menu paraense, ambos no Restaurante Lá em Casa, que fica na Estação das Docas.

Lá am Casa Festival Ver-o-Peso da cozinha paraense
Só uma amostrinha do que sugeri no Lá em Casa.

Ponto, a partir daqui você estará minimamente ambientado e, provavelmente, muito deslumbrado.

Casa das Onze Janelas: na antiga residência de um senhor de engenho, vocês encontrarão um espaço cultural e o Boteco das Onze.

Casa D’Noca: gosta de samba? Então vá! Em um antigo casarão, rola um sambinha delícia ao vivo, com público adulto de todas as idades.

Casa D'Noca Belém Pará
Um dos ambientes da Casa D’Noca.

Mangal das Garças: lugar lindo para passear em um final de tarde na companhia de garças, flamingos, borboletas e arara azul.

Mangal das Garças Belém Pará

Mangal das Garças Belém Pará
Vista do mirante no Mangal das Garças.

Cairu sorveteria: na sorveteria mais famosa da cidade, há uma infinidade de sabores locais. Eu me apaixonei pelo Carimbó, que é feito com castanha-do-Pará e doce de cupuaçu. <3

Sorvete Carimbó Cairu Estação das Docas
Esse é um dos muitos Carimbós que tomei, na sorveteria Cairu.

Ilha do Combu: chega-se de barco e é interessante para entendermos um pouco as construções ribeirinhas. Vale o passeio na plantação de cacau da Nena, do Combu Orgânico, onde é possível agendar um café da manhã tipicamente paraense, conhecer sua produção de chocolate e, claro, comprar muito brigadeiro de colher e bombom de cupuaçu.
Para estender o passeio, uma parada na Saldosa Maloca para almoçar ou petiscar.

Nena Combu Orgânico Festival Ver-o-Peso da cozinha paraense
Essa é a Nena me entregando seu divino brigadeiro de cacau orgânico. <3

Combu Orgânico Festival Ver-o-Peso da cozinha paraense
Chocolate 100% cacau embalado na folha do cacaueiro.

Meu Garoto: trata-se da marca mais conhecida de cachaça de jambu. Quem curte cachaça diz que a usada por eles é de péssima qualidade, mas eu, que não gosto de cachaça, recomendo pela experiência de levar à boca uma bebida que adormece os lábios. Na loja há uma diversidade de bebidas etílicas com ingredientes locais.

Mercado Ver-o-Peso: o ideal é pela manhã; quanto mais cedo, melhor. É um lugar para passear sem pressa pelas bancas de frutas, descobrir seus nomes e pedir uma provinha.

Jambu Mercado Ver-o-Peso
Jambu, uma preciosidade da gastronomia paraense que adormece a boca.

Para mim, quase tudo era exótico. Experimentar a castanha-do-Pará verde e recém-descascada (ela chega torrada para nós pois é muito perecível) foi uma experiência inesquecível.

Castanha-do-pará Camarão seco Festival Ver-o-Peso da cozinha paraense
Castanha-do-Pará descascada na hora.

Depois, as bancas das farinhas, um prato cheio para os curiosos. Ache um vendedor sorridente e pergunte o processo de produção e as características de cada uma delas. De lá, encante-se com os camarões secos de vários tamanhos e com os peixes salgados de muitas espessuras e preços.

Camarão seco Festival Ver-o-Peso da cozinha paraense
Camarão seco.

A seguir, perfumes, ervas e garrafadas que prometem curar todos os males.

Santerias Mercado Ver-o-Peso
Esqueci seu nome, mas esse simpático vendedor explicou a função de cada garrafinha.

Por fim, mas que na verdade deve ser o início, o mercado de peixes, recheado de espécies de água doce que dificilmente encontramos fora do Norte.

Mercado de peixes Belém Pará

Quando bater a fome, recomendo a barraca do Louro do Açaí para experimentar um filhote fresquinho, frito na hora, acompanhado de açaí e farinha de tapioca.

Point do Açaí Festival Ver-o-Peso da cozinha paraense
Essa refeição foi no Point do Açaí.

Do ladinho do Mercado Ver-o-Peso está a Estação das Docas, lugar agradabilíssimo seja apenas para contemplar a paisagem, para beber as cervejas com ingredientes regionais da Amazon Beer, para experimentar os muitos sabores de sorvete da Cairu e para, impreterivelmente, fazer uma refeição no Restaurante Lá em Casa.

Lá am Casa Festival Ver-o-Peso da cozinha paraense
A primeira refeição paraense que fiz, no Lá em Casa. Saudade é pouco.

14 Comentários

  1. Celia
    2 anos atrás

    Lindo post, quero ir a Belém!!!

    Responder

  2. Patt Baleeira
    2 anos atrás

    Estavamos ansiosos por esse relato. Lindo!!!!!
    Belém é incomparável <3 <3 Dessa vez, não fui.
    Porém, quem conhece e só saudades.
    Beijos Patt e o Ro mandando um abraçãooo aqui

    Responder

    • Maria
      2 anos atrás

      Quem sabe estaremos lá os três no próximo ano, Patt?! ;)
      O Rodrigo foi uma grata surpresa, um querido.
      Beijão pra vocês dois.

      Responder

  3. renata
    2 anos atrás

    Lindo relato, Maria! Sigo seu blog há algum tempo e me surpreendi com a matéria, repleta de afeto e boas experiências. Talvez seja por isso que todo paraense quando viaja para outro lugar, além da mala, espera sempre um isopor na esteira do aeroporto. Obrigada por descrever minha terra com tanto gosto!

    Responder

  4. Wagner S.
    2 anos atrás

    Maria,

    Belém é exatamente isso: incrivelmente surpreendente. E mais: na minha opinião a tradicional culinária amazônica é a única originalmente brasileira.
    Obs. Uma pequena observação: "Éeeegua" é uma exclamação que pode dizer tantas coisas que é mais difícil de definir do que "Paidégua", essa sim denota aquilo que é muito bom/ legal/ ótimo ou muito grande. Enfim: Égua do post paidégua que tú fizeste!!

    Responder

  5. Alexandre Barbosa
    2 anos atrás

    Brasil é de mais! Você não imagina o que me deu saudade do tacaca. E olha que eu sou de Brasília.
    Parabéns! Belíssima matéria.
    Continue Assim.

    Responder

  6. Mara Mulinari
    2 anos atrás

    Obrigada por me "levar" contigo nesta viagem de imagens e palavras.
    Agora restou a vontade do corpo presente!

    Responder

  7. Márcia Carvalho
    2 anos atrás

    Ai, que saudade!! Você descrevendo o seu passeio lembrei-me das vezes que fui até Belém! Adorei!! Adorei!! Muito bom demais! Saudades!!

    Responder

  8. Tânia marques
    2 anos atrás

    Amei seu relato! um dia irei conhecer

    Responder

  9. Beatriz
    2 anos atrás

    O nome do moço é João. Quando estive lá, comprei muitos sabonetes artesanais melhores que os da Natura!! Falo com ele pelo Whatsapp até hoje e encomendo seus sabonetes!!

    Responder

    • Maria
      2 anos atrás

      Ahhh! Obrigada, Beatriz. Vou atualizar no post. :)

      Responder

  10. Marcela Andrade
    1 ano atrás

    Eu fui nesses lugares tbm…
    Belém é linda!!!

    Fui num bar chamado Mormaço (imagina o calor), toca samba!!! Muito bom.
    Fiz tbm um passio de catamarã pela estação das docas… tudo lindo demais.

    Só pra constar, fiquei um tempão na banca de farinha (inúmeros tipos de farinhas de tapioca).
    Lendo seu relato, viajei junto…

    Responder

  11. NÁDIA
    1 ano atrás

    MARIA.
    PARAENSE NÃO QUEBRA NADA, ELE ESCULHAMBA, ELE NÃO ADOECE FICA
    MUFINO, NÃO FICA COM RAIVA, FICA AMUADO, NÃO FICA COM FOME , FICA BROCADO, ELE NÃO VAI EMBORA, ELE PEGA BECO, E TEM MUITO MAIS….. E VC É PAIDEGUA MULHER, OBRIGADO POR GOSTAR DA NOSSA TERRA, SERÁ SEMPRE BEM VINDA.

    Responder

    • Maria
      1 ano atrás

      hahaha Adorei a contribuição, Nádia. Obrigada! ;*

      Responder

Deixe seu comentário

Os Campos com * são obrigatórios. Mas não se preocupe, seu e-mail não será divulgado.