A galinhada dos meus sonhos

Esse nome não fazia parte do meu vocabulário. Nunca o tinha escutado até o dia em que a Joana Pellerano o mencionou no twitter numa frase mais ou menos assim “almocei uma deliciosa galinhada com pequi”. Perguntei do que se tratava e soube que era um prato no qual a galinha era cozida junto com o arroz. E essa informação foi armazenada em algum lugar na minha cabeça de cozinheira e lá ficou adormecida. Muitas manhãs depois despertei faminta desse prato; durante a noite sonhei que preparava uma galinhada tão especial que seu sabor e perfume me acompanharam ao longo desse dia seguinte. E tudo me pareceu tão real que nem busquei receita, fui pra cozinha confiante que o sonho me ensinara exatamente como fazer e que não teria dúvida alguma na hora de reproduzir.

galinhada

Não lhes ofereço uma receita em detalhes mas sim um passo-a-passo de como fiz esse prato que mesmo depois de acordada saboreei como num sonho, num delicioso almoço em família com sua simplicidade contrastada com um belo brinde de champagne.

Ingredientes
1 frango inteiro cortado em pedaços (peito, coxa, sobrecoxa, asa, pés, pescoço…)
2 copos de arroz
3 cenouras cortadas em rodelas
grãos de milho de duas espigas
100 ml de cachaça
50 g de bacon picadinho
1 cebola grande
8 dentes de alho
2 cravos
1 folha de louro
uma pitada de páprica doce
suco e raspas da casca de um limão
pimenta malagueta picada sem as sementes e sal a gosto
óleo ou azeite para refogar

Modo de fazer
Triture metade da cebola junto com 4 dentes de alho e sal. Misture a essa pasta a pimenta picada, o cravo, a páprica e o suco de limão.
Lave o frango e reserve os pés, o pescoço e a cabeça. Corte-o em pedaços e, num pirex ou sacola plástica, envolva-o com a pasta de temperos. Coloque-o na geladeira e deixe marinando por no mínimo duas horas.
Prepare um caldo fervendo em fogo bem baixo os pés, o pescoço e a cabeça do frango, uma das cenouras, o louro, a outra metade da cebola, uma pitada de sal e água suficiente para cobrir. Tampe e deixe no fogo por pelo menos uma hora, olhando de vez em quando e colocando um pouco mais de água se for necessário. Quando o caldo estiver saboroso, desligue o fogo, aguarde esfriar, retire os pedaços de frango e o louro e bata o restante no liquidificador. Usaremos esse caldo substituindo parte da água para o cozimento do arroz e do frango. Se quiser, aproveite os pedaços de frango desfiando o que houver de carne neles e junte ao caldo batido. Para cozinhar o arroz precisaremos de aproximadamente quatro copos de caldo/água. Então meça quanto rendeu de caldo, complemente com água e volte pro fogo para aquecer.
Já estamos perto da hora de comer! Lave o arroz e deixe-o escorrendo. Retire da geladeira o frango que estava marinando. Aqueça uma panela grande com um pouco de óleo ou azeite. Frite o bacon e junte os pedaços de frango sem a marinada. Quando estiverem bem dourados (mais que o da foto!), despeje a cachaça e, com cuidado, coloque fogo para flambar. Mexa apenas para distribuir melhor a bebida e quando a chama apagar retire o frango da panela. Vamos aproveitar essa gordura que ficou (se tiver muita descarte um pouco) para fritar o arroz e o restante dos dentes de alho (cortados ao meio). Grãos soltinhos e brilhantes? Volte com o frango pra panela, junte a cenoura, o milho, a marinada, os quatro copos de água/caldo quente e aumente o fogo. Quando começar a ferver, abaixe o fogo e tampe a panela. Daí por diante é igual cozinhar arroz, ou seja, basta esperar a água secar e estará pronto. Salpique as raspas da casca do limão e sirva.
Espero que gostem tanto quanto eu!

Dica: esses foram os temperos e complementos que usei mas você pode substituí-los por outros de sua preferência.

De lá para cá várias outras opções de remédios entraram no mercado como uma alternativa ao azulzinho, confira aqui um manual completo de como funciona o desde o momento da escolha até quais resultados esperar.

Você também pode gostar...

8 comentários

  1. Se bobear essa galinha do sonho ficou mais gostosa que a da referência original. Vou querer provar um dia desses!

    1. Infelizmente não tenho essa resposta, Joana… mas bem que eu queria ter experimentado a que você comeu! E será um prazer repetí-la com sua ilustre visita. Quem sabe uma hora dessas você e a Mel aparecem por aqui?!
      Beijo!

  2. Que engraçado, Maria, conhecia essa receita como "Galinha da preguiça", pois minha mãe fazia na panela de pressão, então ficava pronta rapidinho: consistia em coser a galinha na panela de pressão normal, com os devidos temperos e com bastante água, e quando estivesse quase pronto, acrescentava o arroz que na pressão cozinhava em 5 minutos naquele caldinho delicioso. Seria tipo assim uma "galinhada express", né? Eu gosto tanto que já fiz a versão com carne seca, que virou um arroz de carreteiro na pressão… enfim, ADORO arroz que pega emprestado gostinho alheio, por isso imagino como sua galinhada devia estar demais de boa =)

  3. Que delícia, Maria! Deve ser bem saboroso mesmo, considerando toda a preparação. E o gostinho do arroz….hummm. Abs, Juju

  4. É isso aí, Juliana, sua mãe fazia uma versão express! rsrs E de fato, cozinhar o arroz, ou mesmo a canjiquinha, aproveitando o sabor de uma carne/frango faz toda a diferença! Também adoro!
    Obrigada pela visita. E volte sempre!

  5. Olá, Juju! Bem-vinda!
    Ontem aproveitei um pouco do arroz que sobrou e que congelei, juntei com cenoura e um caldo de galinha que também estava no freezer, e fiz uma bela canja!
    Responder esses comentários da galinhada tá me dando uma vontade de fazer de novo… rsrs
    Beijo!

  6. olá, acredito realmente que tenha ficado uma delicia, estou com agua na boca!!
    Porém, isto nao é galinha com pequi, isto é apenas uma galinhada bem reforçada e muito apetitosa.
    Galinha com Pequi tem que levar PEQUI, que é uma fruta de casca grossa e grande e que dela é usada os caroços para comer, ainda tendo o cuidado para não machucar a boca com os fiapos que se tornam lâminas, tais muito parecidas com a alcachofra.
    bom desculpe a correção, mas é importante que saiba!
    bjos
    tamara

    1. Olá, Tamara! Obrigada pela visita e pelo comentário!
      A receita que publiquei realmente não é de galinhada com pequi, tanto que não leva esse nome no título do post nem possui esse ingrediente na lista. A que foi feita com pequi foi a que a Joana comeu e que citei no começo da história, quando escutei o nome "galinhada". Mas você não foi a primeira pessoa que teve esse entendimento. ;)
      Beijo e volte sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.