Nhoque integral de inhame com batata

Nhoque integral de inhame com batata nhoque

Era noite quando retirei os inhames e as batatas da despensa e os coloquei sobre a bancada preta da pia. Foi minha maneira de assegurar que pela manhã, lá estariam eles, estrategicamente posicionados, acenando para mim que tinham seus dias contados e precisavam com urgência ir para a panela. Estavam destinados a virar purê e acompanhar um filé alto de dourado.

No dia seguinte, tão logo terminei o café, empunhei o descascador e removi a pele dos tubérculos. Ao invés de colocá-los na água fervente, untei um tabuleiro com algum azeite, dispus os pedaços e levei ao forno. Os planos haviam mudado sem que eu sequer percebesse: esqueci por completo do purê e segui em frente rumo aos nhoques que imaginei naquela manhã.

Enquanto assavam, fui separar os demais ingredientes: queijo parmesão, sal, pimenta, ovo e… farinha. Não havia farinha branca em casa… mas me pareceu providencial que um nhoque de inhame fosse também uma massa integral. E mesmo sem que tivesse algum dia feito, ou sequer comido algo assim, prossegui.

O molho percorreu o mesmo caminho de improviso: “o que tenho à mão?” Manteiga, alho, manjericão, bacon… aos poucos novos ingredientes ocupavam a bancada e definiam o sabor que incrementaria o nhoque.

Experimentei os resultados e mesmo me parecendo muito especial, senti alguma insegurança. Coloquei meu prato e o do Antonio na mesa, dispus os talheres e guardanapos e sentei-me à frente dele à espera da primeira reação. Não toquei meu prato enquanto esperava pelos primeiros músculos do rosto dele indicando satisfação; ou não. Veio o primeiro suspiro e com ele meu primeiro sorriso, minha primeira garfada. E durante todo o almoço – entre um suspiro aqui e outro ali – nosso assunto foi praticamente o mesmo: o nhoque!

Nhoque integral de inhame com batata

Ingredientes para a massa (para duas pessoas com apetite moderado)
250 gramas de inhame
250 gramas de batata
15-30 gramas de parmesão ralado fino
1 ovo pequeno
35-50 gramas de farinha de trigo integral
pimenta do reino, noz moscada e sal a gosto

Ingredientes para o molho
1 colher de sopa de azeite
20 gramas de bacon fatiado fino
3 dentes grandes de alho fatiados finos
1 colher de sopa de manteiga
1 punhado de folhas frescas de manjericão lavadas e secas (cerca de 1/4 de xícara)
1/2 xícara da água do cozimento da massa
queijo parmesão ralado grosso

Modo de fazer
Comece descascando e partindo os inhames e as batatas em pedaços menores (corte-os ao meio ou em quatro). Unte um tabuleiro com um pouquinho de azeite, disponha os tubérculos, cubra com papel laminado e leve ao forno médio até que fiquem macios. Retire do forno, dispense o papel laminado e amasse as batatas e inhames ainda quentes. Deixe-os bem esparramados no tabuleiro descoberto a fim de evaporar o máximo possível de água. Optei por assar ao invés de cozinhar em água para ter um resultado mais seco e com isso demandar menos farinha.

Quando esfriar, misture-os com o ovo, o queijo parmesão (usei 15 gramas mas podia ter sido mais), o sal, a noz moscada e a pimenta do reino moída na hora. Por último e aos poucos, junte a farinha de trigo. A massa deverá ficar um pouco mole e pegajosa, porém, deverá ser relativamente fácil enrolá-la sobre uma superfície untada com farinha de trigo integral. Faça o teste do ponto e do tempero fervendo água numa panelinha. Enrole e corte duas unidades de nhoque e coloque na água fervente. Retire-os quando subirem à superfície, aguarde esfriar e experimente. Se for o caso acerte o tempero e se estiver muito mole, coloque mais farinha.

Ponto acertado, enrole e corte todos os nhoques. Se o dia estiver quente, sugiro que leve-os ao congelador enquanto aquece a água para cozinhá-los; assim ficarão mais durinhos e mais fáceis de manusear enquanto crus. Você poderá também congelá-los sobre um prato ou tabuleiro e depois transferí-los para uma sacolinha própria para alimentos. Na hora de usar bastará levá-los congelados direto para a água fervente.

Repita o processo colocando algumas unidades por vez na panela (para não esfriar a água) e aguarde que subam à superfície. Retire-os com ajuda de uma colher com furos (para escorrer a água) e reserve-os num escorredor de macarrão até que todos estejam cozidos. Separe uma xícara da água do cozimento e vamos ao molho!

Aqueça uma frigideira grande e de fundo grosso em fogo baixo. Coloque uma colher de sopa de azeite, aguarde esquentar e junte o bacon. Mexa de vez em quando até que o bacon comece a dourar e soltar gordura. Acrescente as lâminas de alho e quando começarem a dourar junte a manteiga e em seguida o manjericão. Coloque os nhoques e misture-os movimentando a frigideira. Evite usar colher pois há chance deles desmancharem. Acrescente um pouco da água do cozimento e movimente mais a frigideira até incorporá-la ao restante e formar uma emulsão – a consistência será de um líquido-cremoso que envolverá os nhoques.
Sirva em seguida salpicado com queijo parmesão.

Nhoque integral de inhame com batata

Segundo dados do NHS, o sildenafil, o componente do , precisa aumentar o fluxo sanguíneo até o pênis.

Você também pode gostar...

9 comentários

  1. Maria;

    Juro que toda a vez que vejo os vídeos na cheftv tenho vontade de pegar um avião (nem sei onde vc mora, mas com esse sotaque imagino BH), sair de Floripa, sentar à sua mesinha branca igual a minha e comer tudo que sai do forno, fogão ou geladeira.

    Amanhã vou testar o sorvete de doce de leite, já que aqui está fazendo 30graus…

    Um super beijo e parabéns pela dedicação, pois só quem faz isso sabe a dificuldade de organizar tudo, né?

    Carol – OperaCacau

    1. Ai que gracinha de comentário, Carol. Amei.
      Engraçado como ninguém identifica meu sotaque (e eu continuo achando que não tenho nenhum rsrs). Eu moro em Ubatuba, mas cresci no ES e estou em SP há quatro anos. Tudo misturado.
      Essa mesinha é ótima, né?! Eu a tenho há muitos anos, custou barato e quebra mil galhos; além de servir como mesa, é também minha bancada de trabalho pra esticar e cortar massa. ;)
      De fato organizar tudo dá uma trabalheira. Quando gravo vídeos-receita então… termino exausta! Mas amo. :)
      Depois que experimentar, conte-me o que achou do sorvete.
      Beijo!

  2. Olá Maria….vc é demaisssss hemmmm…Que delicia !!!

    Ai sera que consigo fazer essa meravilha de nhoque???

    Realmente esse seu sotaque é muito bonito! Vc tem um jeito tão peculiar de narrar suas receitas! Sua vóz é tão marcante que quando estou lendo a receita, parece que ouço sua vóz que mais parece uma melodia! Olha, não é todo mundo que tem charme pra falar não viu!!!

    Receita anotada, na primeira oportunidade….mãos na massa ! Meu lindo neto ama nhoque! Imagine se não vou preparar essa receita!

    Adorei a narrativa sobre o preparo deles, que ja começaram no dia anterior ….beijosssss e bigada amore…

    1. Ao mesmo tempo que me diverte você me deixa lisonjeada, Lucia Helena. Obrigada. :)
      É claro que você consegue fazer esse nhoque! Lembrei de você enquanto o fazia; pelo que descreve da sua alimentação, achei que tinha a sua cara. Só lembre-se de deixar a massa um pouquinho mole pro sabor do trigo não pesar no resultado final.
      Beijo!

  3. Eu sou alucinada por nhoque.

    AI, que fome!!! Ainda não jantei :-)

    Beijo, querida!!

    1. Nhoque é demais, né, Lena?! Eu nunca imaginei que faria tantas versões.
      E trate de não ficar sem jantar até tão tarde! ;)
      Beijo!

  4. Affe Maria, matou a pau. Se nhoque já é divino, a versão integral deve ser coisa de louco.nham nham

    Bjs

  5. Oieeeee….estou aqui de novo para anotar direitinho a receita e fazer no final de semana, quando trago meus velhos aqui pra casa….faço um almoço gostoso no domingo, uma bela sobremesa e vamos assistir filme ! Maria, vc ja viu "Os Três Mosqueteiros em 3 D….por favor veja é demaisssss !!! Beijossss….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.