Estrogonofe de carne da vovó Regina

Estrogonofe de carne da vovó Regina

Recentemente tive uma daquelas lembranças realistas que envolvem até sensações. Adentrei pelas portas da minha mente na casa da minha avó em Itajubá. Senti o delicioso cheiro das férias que se fazia presente nas roupas de cama perfumadas e impecavelmente estendidas, no carpete sempre limpo e macio e nas pesadas cortinas que ornavam aquela autêntica casa de vó do interior de Minas. Passava por essas impressões, pousava minha mala no quarto de móveis de madeira pesada, abria as janelas e sentia a brisa fresca. Lavava as mãos e o rosto na água gelada do espaçoso e iluminado banheiro e seguia para o lugar mais importante da casa: a cozinha. Lá, a Maria, minha xará, certamente já havia preparado uma boa parte dos pratos tradicionais da minha vó Regina. E eu sempre comprovava isso abrindo a geladeira e antecipando a salivação da hora do almoço.

Filha de uma tradicional família mineira, vovó Regina estudou em colégio de freiras francesas. Admirou desde de criança essa cultura e nos presenteava com uma culinária que ora vinha da França ora das fazendas de Minas. Na sala de jantar com lustre de cristal ou na acolhedora mesa redonda da cozinha não faltava um leitão assado no Natal ou um bom lombinho acompanhado de torresmo. Mas também conhecemos bem de perto os clássicos rosbife com creme de champignon e o estrogonofe de carne. E foi nesse último que me apeguei durante essa lembrança. É certamente o melhor estrogonofe que já comi e nunca arrisquei reproduzí-lo em casa. Mas agora que não temos mais a minha vó ou a Maria de lá para fazê-lo, acho que está na hora de eu começar. E essa constatação foi o ponto final daquela lembrança.

Uma semana depois comecei a participar da PromoVamos e, ao adentrar no site Vamos Cozinhar para conhecer as video-receitas da promoção, adivinhem com qual receita me deparei?! Sim, estrogonofe! Em um primeiro momento, reconheci vários ingredientes da receita da minha vó e decidi fazê-la. Mas durante a execução ia consultando minha mãe e juntas descobrimos diversas e significativas diferenças. Para nossa surpresa o estrogonofe de carne ficou tão saboroso quanto o da vovó Regina, porém, mais leve. Convidei algumas amigas e aqui está o resultado de um jantarzinho delicioso.

Segui o passo a passo do vídeo do Vamos Cozinhar que publico no final do post. Mas como alterei algumas quantidades durante a execução, descrevo também exatamente como fiz.

Estrogonofe de carne da vovó Regina

Ah, e a promoção termina nesta semana! Se você ainda não se inscreveu, não perca a chance de concorrer a jantares e livros para você e sua cozinha. Clique aqui e se inscreva, indicando o DigaMaria, é claro!

Estrogonofe de carne da vovó Regina

Rendimento
Serve 8 pessoas

Ingredientes
1 Kg de filé mignon cortado para strogonoff
1/2 Kg de champignon
100 gramas de manteiga sem sal
2 colheres de sopa de azeite
500 gramas de creme de leite fresco
2 colheres de chá de páprica doce
2 colheres de chá de páprica picante
2 colheres de sopa de farinha de trigo
pimenta do reino e sal a gosto
125 ml de conhaque
125 ml de vinho branco seco

Modo como fiz o estrogonofe de carne
Derreti a manteiga e o azeite e fritei bem a carne salpicada com pimenta do reino e sal. Quando o caldo que soltou da carne já estava bem encorpado eu o retirei da panela e reservei (tenho preconceito com caldo industrializado e aproveitei esse para utilizar no lugar do outro). Voltei com a panela pro fogo e acrescentei a cebola. Soltou um pouco d’água e assim que secou juntei a farinha de trigo e incorprei-a bem. Chegou a hora da diversão: despejei o conhaque e coloquei fogo na panela! Mexi um pouco e logo o fogo apagou e a carne estava com uma consistência caramelada.

Estrogonofe de carne passo a passo

Acrescentei o vinho, o caldo de carne reservado e as pápricas. Aí só faltava o creme de leite que deixei para colocar bem pertinho da hora de servir. Ficou um pouquinho líquido para o meu gosto e então misturei um pouquinho mais de farinha de trigo a uam pequena porção do creme de leite. Tudo na panela, bastou um pouco de fervura e já estava na consistência ideal!

O arroz segui à risca a receita do vídeo. O orégano dá um sabor especial (e leve) que todos notaram e aprovaram. A isso, acrescente batata palha e um bom vinho e aí está um prático e delicioso prato para receber poucas ou muitas pessoas.

 

Mas antes vamos conhecer um pouco da história do . Acompanhe com a gente.

Você também pode gostar...

25 comentários

  1. Delícia!

  2. Ludmylla diz:

    Lia, sou apaixonada por stronoff e, por isso, me sinto qualificada para dizer que esse foi o mais gostoso que já comi! E Hamilton endossa a avaliação!!!
    Obrigada por nos convidar!
    Beijo!

    1. Minha nossa, Lud!!! Esse elogio é pra ser impresso, emoldurado e pendurado na sala de jantar! E vocês são sempre meus convidados, aonde quer que eu esteja!
      Grande beijo e uma doce e saborosa semana!

  3. Maria querida,

    Lindo post! Strogonoff pra mim também é comida da vovó. Assim como a sua Regina, a minha Ruth não está mais aqui, mas Mamãe replica a receita dela com perfeição pelo menos uma vez por mês.

    Esse seu tá com uma cara… de babar! Deve ter ficado mesmo uma delícia!

    E boa sorte pra nós no sorteio!

    Bjs

    1. Ana!! Que delícia você por aqui! E boa sorte mesmo pra nós!! Imagina a gente num estúdio???!
      A minha mãe também replica a receita da minha vó com perfeição, só que umas duas vezes ao ano. Mas honestamente esta ficou tão boa quanto! Acabei de comer o restinho. ;o)
      Beijo, beijo!!

  4. Ah, que legal! você fez! Eu achei muito bacanas os videozinhos do site e também fiquei com vontade de provar o stroganoff. FIcou lindo o seu prato, hem?! Nossa, fiquei com água na boca! =)

    Um grande beijo.

    1. Fiz sim, Talita!!! E amei! Mas agora já estou babando no foie gras e não tenho idéia de onde comprar (e de quanto custará rsrs)!!
      Acompanhar receitas em vídeo (bem produzido, claro) dá uma segurança, né?! Foi minha primeira experiência e eu adorei.
      Grande beijo pra você também. E ótima semana!

  5. Definitivamente, eu quero comer um strogonoff hoje!
    Tá lindo.
    Abraços

    1. Valeu, Diego! Se você tivesse deixado o endereço eu mandava entregar um pouquinho para você. Pena que não deixou… ;o)
      Obrigada pela visita e volte sempre!

  6. Méri, delicioso, aprovadíssimo, recomendadíssimo! Mais leve do que o tradicional da mamãe, com certeza ela aprovaria!
    Amei o encontro com os amigos queridos aqui em casa! Um brinde a todos!

    1. E obrigada por abrir as portas da casa (e da cozinha) pra gente, Mami!

  7. Pra mim strogonoff é comida de mãe. Meu adorava e ela tinha que fazer toda semana. Aprendi a gostar já adulta, e hoje, por causa da minha sensibilidade ao leite, infelizmente ele teve que sair do meu repertório :'(
    Mas ainda vou conseguir um substituto pro creme de leite… Talvez leite de coco, tofu batido no liquidificador… vamos ver…
    Lindíssimas as fotos, Maria!

    1. Obrigada, Mel!
      Vamos sim descobrir um substituto pro creme de leite! Mas vou lhe dizer, o prato fica delicioso antes mesmo de entrar o creme de leite; a carne e o caldo ficam saborosíssimos! Eu sei que não é a mesma coisa, mas…
      Beijo!

  8. Maria,
    que delícia ler o post das lembranças de férias…muito parecidas com as minhas…a diferença estava no estado, o seu era MG e o meu SP. Mas as delícias preparadas pelas avós sempre nos acompanharão… O prato está lindo, confesso que nunca acrescentei vinho, sempre uso o conhaque…e páprica também nunca usei…vou testar qualquer hora dessas!
    Um beijo! Ótima semana!

    1. Testa mesmo, Verena. Essa versão também foi uma surpresa pra mim e lhe digo que a repetirei todas as vezes que desejar um strogonoff!
      Grande beijo! E ótima semana por aí também!

  9. Amo strogonoff. Esse aíestá de dar água na boca!!!!!!! Vou fazer só para mim. Minha família não aprecia esse prato. Que pena, hein!!!!

    1. Que pena, hein, Mary?! ;o) Quando fizer volte para nos contar o que achou.
      Um abraço e volte sempre!

  10. Maria, que frio; hoje farei o strogonoff da Vovó.
    Uhhhhmm
    Bjs e Obrigado pela inspiração!

  11. FIZ! Hummmmmmmmmmmmmmmmm.

  12. Nadia Iraola diz:

    Querida Maria
    è muito gostoso ler as suas receitas , principalmente o que vc conta sobre elas.
    Amo de paixão berinjela , e acredito que vc também.
    Quanto ao strogonoff , eu sempre que faço coloco aos poucos a carne para que não
    fique dura e só coloco o sal depois , não sei porque mas quando coloco toda a
    carne na panela ela endurece , não sei o que faço de errado.
    Que bom ter descoberto o seu blog , sou sua fã , pois gosto do tipo de receitas
    que vc dá , são ótimas.
    bjs
    Nadia

    1. Nadia, fico muito feliz que goste daqui! Mesmo.
      Quanto à carne, o que já vi de dica é para colocar aos poucos, exatamente como você faz. Isso porque se colocar uma quantidade grande de uma vez só ela não fritará pois uma parte não entrará em contato com a gordura quente no fundo da panela; ela soltará água fazendo com que cozinhe. O fritar, ou selar, serve para isolar a superfície da carne e manter a umidade do lado de dentro. Por isso, quando fazemos um caldo de carne, colocamos a carne pra ferver sem fritar antes; toda sua umidade e sabor sairão pra dar sabor ao caldo. Talvez seja esse o caso. Ah, e o sal, o ideal é não colocar muito antes de ir pra panela porque senão desidrata. Nunca experimentei colocar depois; mas sei que muita gente prepara assim.
      Beijo e até breve!

  13. […] da minha avó materna trabalhava a Maria – minha xará e cozinheira maravilhosa –, que já foi citada e reverenciada no DigaMaria algumas vezes. Um dos seus clássicos, que ela preparava todas as […]

  14. Maria. Quanto tempo antes eu posso fazer o pre preparo, deixando o creme para o finalzinho? Da para fazer tudo pela manha e finalizar um pouco antes do jantar a noite? Como reaqueco a carne, nesse caso, sem que ela endureca? Bjs!

    1. Dá sim, Jana.
      Quando cozida na panela com algum caldo, a tendência da carne é tornar-se mais macia com mais tempo de fogo. Aqueça em fogo baixo e com a panela tampada. Quando a carne estiver quente, avalie a quantidade de caldo: se tiver muito, deixe ferver e evaporar um pouquinho antes de colocar o creme de leite.
      Depois me conta? ;)
      Beijo!

  15. […] Não lembro de ter comido carne de panela na casa da minha mãe. Lá nunca se fez muita carne de boi, apesar de duas – e inesquecíveis – exceções: o rosbife com champignon e o estrogonofe de carne. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.